post

Empreendedorismo é algo que move as pessoas a fazerem a diferença. Mas será que o momento é o mais propício para aqueles que querem se mover para empreender?

Vamos responder a essa pergunta fazendo uma análise histórica da nossa educação básica, da gestão empresarial e das tendências por grandes mudanças que estão acontecendo em nossos dias atuais, pois isso reflete diretamente na saúde das empresas atualmente e é solo fértil para o empreendedorismo e o intra-empreendedorismo (que é empreender dentro das empresas existentescom estratégias e posturas inovadoras).

Na educação, se olharmos uma fotografia de uma sala de aula do ano 1916 e outra de 2016, veremos que esses 100 anos não trouxeram muitas evoluções: o mesmo formato da sala, apenas um ensinando e muitos aprendendo, o ensino padronizado por idade, independente do perfil intelectual e comportamental do aluno, horários rígidos, programa da aula padrão por turma e não por aluno e o “passar de ano” prevalece em relação ao aprender.

O aspecto gestão empresarial não é muito diferente, pouco se evoluiu nas estruturas funcionais: organogramas, hierarquias e áreas departamentais; os processos de negócio: mesmo considerando as grandes ondas como TQM, a reengenharia (BPR) e o BPM tivemos maiores mudanças apenas nos últimos 30 anos. As pessoas: considerando que aproveitamos pouco dos talentos que temos a disposição (pois ainda não sabemos lidar com eles) ainda temos chefes mandando e não liderando em muitas organizações e estamos aquém de fazer gestão dos comportamentos. No aspecto economia fica ainda mais crítico pois em 1993 o Brasil tinha uma inflação de 2500% ao ano, a partir dessa época houve a abertura de mercado e iniciaram as privatizações. Os sistemas de Informações não são diferente: o primeiro computador foi criado há menos de 100 anos e o sistema de gestão evoluiu muito pouco nos últimos 20 anos.

Destoante a esses fatos, temos a história da comunicação: da origem da escrita 4000 anos a.c. à prensa de Guttenberg foram mais de 5000 anos; no século XIX tivemos uma grande evolução da transmissão a longa distância (satélites), rádio, TV, telefone e meios de transporte; no século XX dois dos principais marcos foram o computador em 1943 e a internet que foi um grande marco do século, sem dúvida. E o século XXI? Grandes inovações já aconteceram como os smartphones, a evolução e melhoramento dos meios de comunicação, nano tecnologia e tantas coisas que ainda virão. Por que algumas coisas evoluíram e outras não? Ameaça ou oportunidade? A discreta evolução na educação e gestão empresarial e a grande evolução nos meios de comunicação nos permite protagonizar grandes tendências.

E quais são essas tendências?

De acordo com a Global Trends, até o ano de 2030 teremos aumento na demanda de energia em 50%, de água em 40% e na demanda de alimentos em 35%.

A evolução dos dispositivos conectados na rede (internet), segundo a cisco mostrou que em 2009 o número de dispositivos conectados ultrapassou o número de habitantes, ou seja, mais de 6 bilhões de dispositivos conectados e a perspectiva para 2020 de dispositivos conectados passará de 50 bilhões, média de sete dispositivos para cada habitante.

Essas tendências estão mudando e mudarão ainda mais a nossa forma de fazer negócio e de nos relacionarmos, cada vez mais os produtos estão sendo substituídos pelas soluções e experiências, ou seja, se tivermos a possibilidade de uma soluçãosem um produto não precisaríamos deste produto, como por exemplo: furadeira ou furo? Geladeira ou bebida gelada? Carro ou locomoção? Ambulância ou atendimento rápido? Se focarmos no produto ambulância, nunca veremos uma solução em um drone que presta primeiros socorros em 2 minutos. Vivemos num mundo em que solucionar e experimentar prevalece o “ter”. Essa tendência se ratifica com a economia de compartilhamento que nos Estados Unidos tem projeção de atingir U$ 335 bilhões até 2025. Considerando apenas o compartilhamento de:

  • Moradias, como temos o exemplo do AIRBNB;
  • Veículos, com o foco na locomoção e não no carro, como temos os exemplos do Uber e Easy;
  • Empréstimos, com o P2P (peer-to-peer) Lending, que não estão concentrados nas grandes estruturas financeiras e sim na pulverizado de credores, exemplo do Biva;
  • Os serviços de tv, vídeo e streaming que vem substituindo as grandes estruturas de transmissão privada;
  • E o trabalho compartilhado on-line que cada vez mais exige resultado e menos cumprimento de estar em determinado local de tal hora a tal hora.

E tudo isso impacta diretamente nos negócios?

Vejamos, quem criou a primeira máquina fotográfica digital? Por mais surpreendente que possa parecer, foi a Kodak, líder da época em fotografias em filme. Por que a Kodak não foi líder mundial em fotografias digitais? E ao contrário: ela sucumbiu no mundo dos negócios.

Isso não é privilegio da Kodak, pois 89% das empresas da Fortune 500 do ano de 1995 não estavam mais na lista em 2014. O que isso quer dizer? As empresas têm dificuldades em lidar com rápidas mudanças se apegando a suas criações e seus produtos, o que impede de aproveitar grandes transformações e ainda não permite aproveitar grandes oportunidades.

Porém, o empreendedor, por outro lado, é muito mais rápido e flexível às mudanças. Se pegarmos poucos exemplos de grandes empreendedores no mercado atual, como Garrett Camp e Travis Kalanick criadores do UBber, Tales Gomes criador do Easy Taxi, que quebraram as barreiras de solução substituindo produtos e inovaram com o conceito do compartilhamento, podemos perceber que os empreendedores têm uma vantagem perante as grandes estruturas. Podemos citar vários outros exemplos como as grandes estruturas de arranha-céus, shoppings e o Alibaba.com que é o maior shopping do mundo sem nenhuma loja física, as estruturas de telefonia sendo substituída pelo WhatsApp e tantos outros exemplos.

Por último e não menos importante que nos ajuda a responder a pergunta do início é o ambiente fértil para os empreendedores. Antigamente o empreendedor não tinha muita oportunidade para empreender, ele precisava ter uma ideia, ter um capital, buscar um sócio e focava em uma grande indústria (produtos). Porém, hoje, com quase todas essas tendências, existem ambientes para os empreendedores: temos as incubadoras e as aceleradoras que apoiam a operacionalizam as grandes ideias, com pouquíssimo capital, grandes empresas investindo em ambiente propícios para inovar e empreender, exemplo do Cubo pelo Itaú e Oxigênio pela Porto Seguro e movimentos como o business transformation que fomenta a ideia de que o mundo está mudando não de forma gradativa e sim de forma disrupturante.

Assim, podemos concluir que a mistura do que pouco evoluiu com o que muito evoluiu é ruim para muitos (como as empresas que já faliram mais as que estão falindo no exato momento que você está lendo este post), porém é oportunidade para outros, como as startups que hoje são grandes empresas. Lembre-se, as grandes oportunidades só podem ser vistas por poucos. E claro a evolução da comunicação sem dúvida criou uma plataforma para tudo que ainda virá por aí.

Estamos no melhor momento para empreender?

Junte as sementes de suas ideias, entusiasmo e propósito com todo esse solo fértil para começar agora mesmo a ser protagonista do dia de amanhã.

 

Prof. Jaziel Pavine de Lima – jaziel@valorebrasil.com.br

Especialista em avaliação de empresas pela FUNDACE USP e FIPECAFI. Professor do curso de Valuation na pós graduação da Estácio, Unisescon e BI Internacional. Founder e diretor na Valore Brasil – Controladoria de Resultados.

Fonte: http://www.valorebrasil.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>